Nos primeiros momentos da educação infantil, é muito comum e aconselhável que os educadores trabalhem cantigas em sala de aula, a fim de estimular que as crianças desenvolvam suas inteligências musicais, linguísticas e corporais. Além de proporcionar um momento de diversão lúdica, você também estará dando espaço para os educandos se expressarem e aprimorarem suas habilidades de comunicação.

Mais do que apenas uma atividade de recreação, as cantigas de roda contribuem para o desenvolvimento cultural e intelectual dos educandos. Esse gênero infantil tem como objetivo resgatar e divulgar costumes, crenças e também estimular a desenvoltura das crianças. Outro aspecto importante, é que as cantigas permitem que as crianças exercitem sua criatividade e imaginação, por meio de danças e letras simples.

A criança que pratica a atividade tem a oportunidade de explorar cotidianos, festas típicas, comidas e outras características de diversas regiões do país. A gente separou algumas cantigas clássicas que podem ser trabalhadas em sala de aula, no dia a dia com seus educandos, confira:

O cravo brigou com a rosa

O cravo brigou com a rosa

Debaixo de uma sacada

O cravo saiu ferido

E a rosa despedaçada

 

O cravo ficou doente

E a rosa foi visitar

O cravo teve um desmaio

E a rosa pôs-se a chorar

 

A rosa fez serenata

O cravo foi espiar

E as flores fizeram festa

Porque eles vão se casar

Essa é uma das cantigas mais populares na cultura brasileira, mas para trabalhar ela em sala de aula, uma indicação é adaptar a letra para que a parte da briga seja ocultada do imaginário infantil. Uma mudança simples como: “O cravo dançou com a rosa / debaixo de uma sacada / o cravo deu-lhe um beijo / e a rosa ficou encantada” já resolve essa questão.

Cante uma vez a cantiga e proponha que todos os alunos cantem juntos. Após, formem uma roda com todos os educandos de mãos dadas e cantando. Sugira que os educandos, em dupla, dramatizem a música de forma livre, sendo que a cada verso da cantiga eles realizam um movimento simples de dança.

Atirei o pau no gato

Atirei o pau no gato tô

Mas o gato tô

Não morreu reu reu

Dona Chica cá

Admirou-se se

Do berro, do berro que o gato deu:

Miau!

Assim como no caso de O cravo brigou com a rosa, a abordagem de Atirei o pau no gato pode ser adaptada para o uso em sala de aula, sem incitar a violência contra animais. Uma sugestão é “Fiz carinho no gato tô tô / e o gato tô tô ronronou nou nou / dona Chica cá / admirou-se se / do berro, do berro que o gato deu: / miau!”.

Em roda, os educandos devem dar as mãos para cantarem juntos a cantiga, enquanto giram no sentido horário e balançam as mãos para frente e para trás. A cada repetição de sílabas, como gato , ronronou nou nou, o sentido do giro deve ser alterado para tornar a interação mais dinâmica e divertida.  

Escravos de Jó

Escravos de Jó

Jogavam caxangá

 

Tira, bota

Deixa ficar

 

Guerreiros com guerreiros

Fazem zigue-zigue-zá

Guerreiros com guerreiros

Fazem zigue-zigue-zá

A adaptação de Escravos de Jó também é muito simples: “Amigos de Jó / jogavam canxangá / tira, bota / deixa ficar / amigos com amigos / fazem zigue-zigue-zá / amigos com amigos / fazem zigue-zigue-zá”. Na dinâmica, a sugestão é dividir os educandos em duplas, em que cada um ficará de frente para o outro para exercitar as instruções da cantiga.

Ensine-os brincadeiras com as mãos para eles executarem durante o trecho do “zigue-zigue-zá” e, conforme a cantiga for se repetindo, peça que as duplas sejam trocadas, a fim de estimular o contato dos educandos com vários coleguinhas e permitir que eles estreitem laços de amizade e boa convivência.

Ciranda, cirandinha

Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar!

Vamos dar a meia volta

Volta e meia vamos dar

 

O anel que tu me destes

Era vidro e se quebrou

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou

 

Por isso, dona Rosa

Entre dentro desta roda

Diga um verso bem bonito

Diga adeus e vá se embora

A letra de Ciranda, cirandinha não pede adaptação para sala de aula, pois não estimula comportamentos ou o uso de expressões que podem ser interpretadas como forma de opressão. Para divertir-se com essa cantiga, a sugestão é dividir a atividade em dois momentos: no primeiro resgate versos populares e peça para que os alunos copiem em seus cadernos e repitam em voz alta, após forme uma grande roda com os seus educandos e cantem juntos a música.

À medida que chegar à parte que diz “dona Rosa” substitua o nome Rosa pelo de algum dos alunos, peça que ele vá ao centro da roda, recite um dos versos aprendidos, diga adeus e volte para o seu lugar, assim como pede a letra. Repita a brincadeira várias vezes, até convidar todos os educandos a participarem. Além da diversão, você estará trabalhando a desenvoltura e comunicação deles.

Se essa rua fosse minha

Se essa rua

Se essa rua fosse minha

Eu mandava

Eu mandava ladrilhar

Com pedrinhas

Com pedrinhas de brilhante

Para o meu

Para o meu amor passar

 

Nessa rua

Nessa rua tem um bosque

Que se chama

Que se chama solidão

Dentro dele

Dentro dele mora um anjo

Que roubou

Que roubou meu coração

 

Se eu roubei

Se eu roubei teu coração

Tu roubaste

Tu roubaste o meu também

Se eu roubei

Se eu roubei teu coração

É porque

É porque te quero bem

 

Essa é uma cantiga para estimular a boa convivência e amizade entre os educandos. Forme uma roda em que todos estarão de mãos dadas e cantando juntos, quando apenas um aluno ficará no centro dela olhando para os demais. O último trecho da canção deve ser executado apenas pelo educando que está no centro da roda e, ao finalizar, ele irá abraçar um dos seus coleguinhas, que deverá substituí-lo.

Peça que os alunos escolham sempre uma pessoa diferente, para que todos tenham a oportunidade de participarem no centro da roda e recebam abraços dos seus amigos. Tornar normal expressões fraternas de carinho entre as crianças é uma forma de torná-las adultos mais empáticos e engajados pela boa convivência.

Divirta-se ensinando

As cantigas de roda passam por alterações de geração para geração e de acordo com os costumes e tradições de cada região. Mas sua essência permanece a mesma: que é a de repercutir a cultura por meio de atividades lúdicas e divertidas. Separe um tempo de suas aulas para introduzir essa prática no dia a dia dos seus educandos e exercite conteúdos aprendidos em outros momentos letivos a partir da interação pelas cantigas.

A diversão pode ser uma grande aliada da educação. Experimente!