As escolas e principalmente os alunos, tem muito a ganhar com o ensino de xadrez em sala de aula. Das aulas de redação até as aulas de matemática, o xadrez pode ser um grande aliado na hora de desenvolver competências, habilidades e tornar as aulas mais divertidas e atrativas.

Recentemente publicamos um artigo no qual falávamos sobre o Brasil ser um dos piores países no ensino da matemática. Segundo o relatório da Global Information Technology, nós estamos entre os últimos colocados na apreensão de conceitos matemáticos e científicos, estando na 133ª posição entre 139 países. Um dos grandes problemas dos alunos brasileiros com a matemática é justamente a dificuldade de entender os enunciados dos problemas e de conseguir desenvolver um raciocínio estratégico em cima dele. Aparecer então com soluções diferentes para o mesmo problema? É um desafio maior ainda. É aí que o xadrez entra em cena, o jogo desenvolve muito raciocínio lógico e estratégico e pode ser uma valiosa ferramenta na hora de ensinar matemática de uma forma lúdica e divertida.

Mas não só a matemática seria beneficiada de um ensino de xadrez nas escolas. Com o jogo é possível desenvolver competências que são úteis em todas as matérias escolares e usá-lo, até mesmo, como uma ferramenta de ensino da matéria em si. Por exemplo, em História pode ser trabalhada a história do xadrez, a cultura dos seus povos, o papel que o jogo teve nas sociedades medievais e feudais, e a relação dele com os aspectos sociais e políticos de determinados períodos históricos. Já em Artes, podem ser exploradas as formas das peças através de pintura e uso de argila. Em Ética, podem ser trabalhadas as regras dos jogo e a importância de respeitar e entender o outro jogador.  

O xadrez já faz parte da grade curricular de vários países. Projetos oficiais envolvendo xadrez apontaram melhoras significativas sobre alguns aspectos como: rapidez de raciocínio, memória, imaginação, calma e tranquilidade. Confira abaixo alguns outros benefícios que o jogo de xadrez traz para os alunos:

1. Tomada de decisões

Uma das grandes habilidades desenvolvidas pelo xadrez é a segurança na hora de tomar decisões. Afinal, durante uma partida, o jogador precisa decidir qual lance deve ser feito, sabendo que a decisão pode mudar totalmente o destino daquela jogada. Um movimento errado e o jogador perde o jogo. Sendo assim, cada movimento deve ser cuidadosamente calculado e o jogador precisa aprender a ter confiança na decisão tomada.

2. Concentração e memória

Um dos principais benefícios do xadrez é o desenvolvimento da concentração. Consequentemente, impactando o desempenho do aluno de maneira positiva em diversas disciplinas.

Em entrevista a JCNet, o professor de xadrez do Colégio Novo Anglo Bauru, Eric Piassi, afirma que o xadrez é bom para concentração:

“Estamos diante de uma batalha. Uma batalha da inteligência, em que os alunos precisam prestar muita atenção e concentração para não perder esse emocionante jogo. Logo, eles entendem como desafio e brincadeira e, sem perceber, acabam desenvolvendo esses benefícios. O mais legal é que isso acaba refletindo nas outras atividades escolares”.

3. Planejamento e raciocínio estratégico

O xadrez trabalha muito a lógica e o planejamento das jogadas. O importante no jogo é conhecer o seu adversário, saber analisar as jogadas dele e ser capaz de antecipá-las, construindo uma estratégia mais forte do que a do outro. Essa habilidade vai ser traduzida em outros momentos da aprendizagem, como na hora de resolver problemas matemáticos, organizar o tempo para realização de tarefas, trabalhos e provas, e até mesmo na hora de fazer uma redação bem estruturada e planejada.

4. Responsabilidade

Outro benefício do xadrez é ensinar desde cedo a responsabilidade. Garry Kasparov, ex-campeão mundial de xadrez, em entrevista à revista Veja alegou que o jogo desenvolve um senso de responsabilidade muito grande, segundo o jogador:

“está na moda dizer que tudo que acontece de ruim é responsabilidade de todo mundo. O jogo coloca as coisas no seu devido lugar: é você quem responde pelo movimento de suas peças, e mais ninguém. Como na vida, você é o único responsável pelos próprios atos”.

5. Respeito ao adversário e aprender a perder

A criança quando aprende xadrez, também aprende a respeitar as regras, o adversário e, principalmente, aprende que na vida às vezes a gente ganha e às vezes a gente perde. É um ótimo jeito de ensinar a criança a lidar com frustrações e desenvolver inteligência emocional.

Mas como começar a ensinar xadrez na sala de aula?

O ideal é que o jogo seja ensinado para as crianças desde pequenas. Geralmente, o xadrez é ensinado no fundamental, com alunos do primeiro ao quinto ano. Nas séries iniciais são apresentados os personagens e o papel deles no jogos, conforme os alunos vão se desenvolvendo e passando a ter uma compreensão maior das coisas, mais regras e conceitos vão sendo adicionados no jogo.

Bons exemplos

Nas mais de 13 mil escolas americanas onde o xadrez é ensinado, os alunos demonstraram um aumento surpreendente no desempenho escolar, colocando os colégios no topo do rank nacional de melhores escolas.

No Brasil, um exemplo de sucesso são as escolas municipais de Concórdia, no oeste de Santa Catarina. Desde a década 90, as escolas municipais de Concórdia oferecem aulas semanais de xadrez. A disciplina foi incorporada pela secretaria municipal na grade curricular e atende alunos da educação infantil até o ensino fundamental. Segundo o município, as crianças demonstraram uma forte melhora no raciocínio lógico, além de outros benefícios como uma melhora na memorização, paciência e concentração dos estudantes.

Outro exemplo é a Escola Municipal Professora Maria Eulina Santos Scheena, em Ponta Grossa, no Paraná. A Escola teve a ideia de fazer um “xadrez humano”, com o tabuleiro pintado no chão e os estudantes sendo as próprias peças, para tentar melhorar a concentração e foco dos alunos. O professor Luiz Felipe Pedroso dos Santos, responsável pelo projeto, afirmou que:

“Como professor, devo manifestar em minhas considerações o contentamento que o projeto trouxe e as melhorias significativas que proporcionou para nossa escola, sejam elas de convivência entre professores e alunos, e de alunos para com os colegas durante as aulas e também durante os momentos livres, por ter auxiliado na construção do pensamento crítico, da resolução dos problemas, da organização do grupo, e a aprendizagem dos princípios cooperativos”.

 

 

Existem no País algumas iniciativas do governo para incentivar o ensino de xadrez em sala de aula, porém ainda não é uma prática obrigatória. Para quem tiver interesse em aprender e ensinar o xadrez, o Ministério do Esporte disponibiliza uma cartilha gratuita sobre xadrez, para ter acesso a cartilha basta clicar aqui.