A matemática é uma disciplina que muitas vezes é considerada o terror escolar pelos estudantes. Porém, com métodos adequados na hora de ensinar os conteúdos, o professor pode tornar o caminho para o aprendizado da matemática muito mais eficaz e dinâmico. E você deve estar se perguntando: “qual seria o melhor método para estimular os estudantes a gostarem de matemática?”, a resposta é muito simples: brincando!

Existem jogos que além de divertidos contribuem para que a criança compreenda conceitos e assimile o conteúdo matemático de uma forma prática e interessante. Os educandos costumam aprender melhor o que experimentam a partir da ação, do que apenas o que leem em apostilas, ou copiam do quadro negro.

Ensine matemática brincando

As brincadeiras e dinâmicas que envolvem o aprendizado da matemática podem ser aplicadas para ensinar estudantes de todas as idades, conforme suas possibilidades de compreensão. Por exemplo, no jardim da infância, abordagens como cantigas folclóricas são bem-vindas para o entendimento matemático dos alunos. Estimule-os a usarem seus dedos para contar, enquanto cantam “1, 2, feijão com arroz; 3, 4, feijão no prato; etc”. Essa é uma prática que mostrará às crianças como usarem suas mãos como aliadas em cálculos.

Os dados também são ferramentas bastante eficientes na hora de propor dinâmicas matemáticas que sejam divertidas. Há uma infinidade de modelos de dados que podem ser usados, como os clássicos, com numeração de 1 a 6, e também versões diferenciadas, como dados de 1 a 3, ou os com símbolos das operações matemáticas em suas faces – que abrem possibilidades para que o estudante realize as contas para continuar jogando.

Levar brincadeiras com números para a sala de aula é a melhor forma de preparar os estudantes para saberem lidar com cálculos matemáticos mais complexos no futuro. Ao mostrar para seus alunos que a matemática pode ser prazerosa, você manterá a cabeça deles aberta para compreender os assuntos, sem ter receio de suas dificuldades. Seguindo essas três estratégias, você e seus educandos caminharão mais assertivamente rumo ao sucesso:

  • Use jogos e brincadeiras para ensinar
  • Incentive a percepção e valorização da matemática no dia a dia
  • Explore os usos sociais dos números

Matemática no cotidiano

Desafie e instigue seus estudantes a ficarem atentos para as formas como a matemática se insere no dia a dia, para que eles desenvolvam a capacidade de atentar aos detalhes e, a partir disso, pensarem mais habilmente em soluções para as operações.

Atividades de contagem, mediação, comparação e de produção de estimativas são  formas de envolver as crianças com a matemática. Matematizar situações cotidianas, como a distribuição de materiais, hora do lanche, tempo de exercícios são formas de perceber a importância dos cálculos e encará-los com normalidade no dia a dia.

Exemplos desse tipo de prática são quando os professores pedem que as crianças mostrem nos dedos quantas bolachas gostariam de comer, ou mesmo em casos nos quais é feita uma divisão desigual de algo, e após solicitem que os alunos contem o que é preciso fazer para deixar tudo igual. Esses são métodos que podem ser reproduzidos em contextos de aprendizagem, para que os estudantes vivenciem a prática da matemática, além de suas teorias e fórmulas.  

Os números estão à nossa volta

O uso social dos números está presente em endereços, páginas de livros e revistas, placas, telefones, cartas, relógios, sorteios, documentos, preços, entre muitas outras coisas. Esse tipo de linguagem dá brecha para ser explorada como estratégia de enriquecer matematicamente a vida das crianças.  

Nesse sentido, uma estratégia para estimular a aprendizagem e aproveitar esses números que fazem parte das nossas rotinas, os professores podem se valer de ideias como brincadeiras de comprar e vender, assim como o uso de calendários para contar dias e passagem do tempo. No primeiro exemplo, você pode criar um dinheiro de mentirinha e pensar em situações que exijam que as crianças façam transações com ele, de modo a precisarem usar cálculos matemáticos no processo.

Enquanto que o calendário consiste em uma ferramenta de registro bem eficaz e, por meio dela, são possibilitadas dinâmicas como marcar os aniversários do mês e solicitar que o aluno conte quantos dias faltam para cada data. Explorado como se fosse uma espécie de jogo de trilha, o calendário pode enriquecer o cotidiano de qualquer turma de Educação Infantil.

De um modo geral, propor brincadeiras e jogos, inserir situações matemáticas no dia a dia e valorizar a presença dos números no cotidiano são formas práticas para dar sentido à matemática desde cedo, de modo a oferecer aos alunos uma base sólida para a aprendizagem, que serão diferenciais nos processos de absorção de conteúdos matemáticos durante suas vidas.

ansiedade-infantil
Previous article Como lidar com a ansiedade infantil em sala de aula
celular-em-sala-de-aula
Next article (NÃO) Use o celular em sala de aula!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close