Apesar de não ser mais o sistema político mais popular nas nações atuais, volta e meia a monarquia volta à pauta do mundo, principalmente quando acontecem eventos importantes que impactam a curiosidade das pessoas. Como foi o caso do casamento real inglês, no qual o Príncipe Harry, do Reino Unido, casou-se com a atriz americana Meghan Markle, no último mês.

Mas, mesmo sendo a família real mais conhecida atualmente, os britânicos não são a única monarquia que ainda impera em seus tronos ao redor do mundo. Numa realidade de democracias e parlamentarismos, 28 famílias reais ainda mantém seus postos na aristocracia.

Conheça as 28 famílias reais de hoje em dia

No cenário político contemporâneo, dominado pela democracia com seus primeiros-ministros, parlamentos e presidentes, ainda existem mais de 40 países que vivem no sistema da monarquia – sendo o Império Britânico o responsável por vários deles. Ao todo, são 28 famílias reais espalhadas entre os países e nações, divididas em três categorias: as que exercem poderes absolutistas, dominando de fato as decisões políticas do país, as que possuem poderes limitados e as que são apenas “figuras ilustrativas”.

Dá uma olhada nas 28 monarquias atuais, em que seus representantes resistem ao tempo, começando com aqueles que ainda exercem o poder de comandantes em seus países:

1. Arábia Saudita

Abdullah bin Abdul Aziz é o rei e primeiro-ministro no país e detém, de fato, o poder político do Estado. No modelo de monarquia saudita o poder era hierárquico e o governante sentava no trono durante toda a sua vida, porém o atual rei é o último representante desse sistema. Por meio de um decreto de 2006, após a morte de Abdullah os novos monarcas serão escolhidos por um comitê composto por príncipes sauditas. A família real desse país tem cerca de 30 mil pessoas.

Resultado de imagem

2. Kuwait

Esse país é comandado pelo emir xeque Al-Sabah al Ahmed Al-Sabah. Membro de uma família que exerce o poder no país desde os anos 1700, ele controla uma poderosa companhia de petróleo no país desde 2006, quando assumiu o posto.

Resultado de imagem

3. Catar

Desde a morte do pai em 2013, o emir Tamin bin Hamad al-Thani está no poder. Sua família comanda o país desde 1825 e também detêm o poder de companhias de petróleo.

Resultado de imagem

4. Emirados Estados Unidos

O sistema de poder desse país permite que cada um dos seus sete distritos possua um monarca, chamado de emir. Mas, quem manda mesmo é o emir de Abu Dhabi, que também é quem ocupa o posto de presidente. Hoje em dia quem exerce esse cargo desde 2004 é Khalifa bin Zayed al-Nahyan.

Resultado de imagem

5. Suazilândia

Atualmente, Mswati III  é o rei do país. Ele chegou ao posto com apenas 18 anos, em 1986, como sucessor do seu pai. Como líder de estado ele é responsável por tomar, de fato, decisões pelo país. Seu título é de Ngwenyama, que significa “leão”.

Resultado de imagem

6. Brunei

Desde 1967, Hassanal Bolkiah exerce a função de sultão e primeiro-ministro do país. Dono da maior residência privada do mundo, seus poderes políticos incluem cuidar do conselho legislativo e da Corte Suprema, que segue a sharia (códigos de lei do islamismo).  

Resultado de imagem

7. Omã

O monarca desse país faz parte de uma família que detém o poder desde 1700. Responsável por comandar o governo, as finanças e os militares, o sultão Qaboos bin Said está no trono desde 1970.

Resultado de imagem

8. Bahrein

Hamad bin Isa al-Khalifa exerce o poder desde 1999. O título que até então era de “emir”, foi substituído pelo monarca por “rei” em 2002. Apesar de ser detentor de grandes poderes, enfrenta uma onda de protestos pró-democracia desde 2011.

Resultado de imagem

9. Jordânia

Mesmo que nesse país outra pessoa exerça o cargo de primeiro-ministro, o rei Abdullah II – que reina desde 1999, é o chefe de governo. A ele cabe o poder de vetar leis e dissolver o parlamento, caso julgue conveniente.

Resultado de imagem

10. Marrocos

Mohammed VI é o rei do Marrocos. Apesar de possuir um poder significativo, como o de indicar o primeiro-ministro e membros do governo, teve um baque em seu poder após a Primavera Árabe, em 2011.

Resultado de imagem

11. Vaticano

Pois é, o Papa Francisco entra na lista de monarcas atuais. O Vaticano é uma monarquia absolutista eletiva da teocracia católica romana. O Papa é o “chefe de governo” mundial da Igreja Católica.

Resultado de imagem

Agora vamos à lista das monarquias que exercem certo poder, mas que não mandam com total soberania em seus países. Vamos começar com uma família que há tempos ganhou os holofotes da mídia quando o príncipe-soberano casou-se com uma famosa atriz de Hollywood:

1. Mônaco

Atualmente, quem reina na terra que teve Grace Kelly como princesa é o Príncipe Albert II. Desde 2005 o monarca senta no trono do país e pode indicar o chefe de estado, entre uma lista com três nomes previamente votados e selecionado. O legislativo de Mônaco é constituído por meio de eleição.

Resultado de imagem

2. Tailândia

Bhumibol Adulyadej é o rei do país desde 1952. Mesmo com pouco poder, ele ainda tem uma importância considerável no país. Ele tem o poder de perdoar crimes e vetar determinações do legislativo. Há pouco tempo aprovou uma nova junta militar na Tailândia, após um golpe de estado.

Resultado de imagem

3. Império Britânico

Possivelmente a monarquia mais famosa do mundo, tem a Rainha Elizabeth II no trono há 66 anos. Ela é chefe de estado em 16 monarquias constitucionais do Império Britânico, como Reino Unido, Granada, Nova Zelândia e Belize. Recentemente foi pauta da mídia devido ao casamento do Príncipe Harry com a atriz americana Meghan Markle.

Resultado de imagem

4. Liechtenstein

Esse país votou há pouco tempo para que o Príncipe Hans-Adam II, atual regente, voltasse a ter poderes para interferir politicamente na nação. Ele pode dissolver o parlamento e vetar leis, por exemplo.

Resultado de imagem

5. Tonga

George Tupou V é o rei de Tonga desde 2006. Lá a monarquia é hereditária e ainda possui poderes significativos no estado. No momento em que assumiu o trono, Georg prometeu que daria mais poderes para o primeiro-ministro, mas na prática está exercendo seu papel de rei no estilo absolutista, o que desencadeia muitos protestos pró-democracia no país.

Resultado de imagem

6. Butão

O líder da monarquia de lá, desde 2008, é Jigme Khesar Namgyel Wangchuk. O título que recebe é de Druk Gyalpo, que significa Rei Dragão. Há mais de um século a família Wangchuk está no poder desse país.

Resultado de imagem

E por último, as famílias de monarcas que mantêm seus postos reais, mas que não exercem nenhuma função política ou de líderes de estado em seus países. São figuras ilustrativas que fazem parte da história e charme das nações:

1. Noruega

O rei Harold V tem em sua agenda reuniões periódicas com o gabinete do primeiro-ministro e com o parlamento do seu país, mas apesar de atuar como conselheiro, não tem o poder de determinar ações como líder do estado.

Resultado de imagem

2. Suécia

Nesse país, o atual monarca é o rei Carl XVI Gustaf. Ele faz aparições cerimoniais e preserva em suas ações a pompa e elegância da família real.

Resultado de imagem

3. Holanda

Após 33 anos no trono, há poucos meses a rainha Beatrix abdicou do seu posto em benefício do filho, rei Willem-Alexander. A Holanda possui um parlamento bicameral – o que quer dizer que mesmo não governando diretamente, o rei tem sua importância reconhecida como presidente do Conselho de Estado.

Resultado de imagem

4. Espanha

Seguindo na linha de monarcas que abdicaram do trono, na Espanha o rei Juan Carlos I deixou o posto após 39 anos. Quem assumiu agora foi o príncipe das Astúrias, Felipe de Bórbon. O poder de Juan Carlos I é originado do franquismo – sucessor do ditador Franco, Juan chegou ao poder após a morte do pai, no entanto escolheu criar uma constituição democrática, em 1978.

Resultado de imagem

5. Dinamarca

Com poucos poderes diante do parlamento, a Rainha Margrethe II está à frente do país desde 1972. Entre as terras que a veem como rainha, além da Dinamarca temos a Groelândia.

Imagem relacionada

6. Luxemburgo

O mais alto posto da monarquia desse país dá a Henri Guillaume o título de grão-duque. Em Luxemburgo a família real exerce quase nenhuma influência na configuração política nacional.

Resultado de imagem

7. Bélgica

Após a abdicação do pai, Phillipe tornou-se o rei do país, em 2013. Apesar de seu papel simbólico, exerce grande influência no que se refere à união do país, ao aliar francófonos aos flamengos – que são grupos de cidadãos distintintos entre os belgas.

Resultado de imagem

8. Lesoto

O rei Letsie III está no poder desde 1996. Porém, o monarca tem o título desde 1990, quando seu pai foi exilado. A constituição do Lesoto não dá poder político para a monarquia do país.

Resultado de imagem

9. Camboja

O monarca Norodom Sihamoni é o rei do país. Apesar de desempenhar ofícios simbólicos, como ser embaixador do Camboja junto à Unesco, não possui poderes políticos.

Resultado de imagem

10. Malásia

Cada um dos estados da Malásia possui o seu próprio sultão e, de cinco em cinco anos, uma eleição entre eles determina o sultão que será o rei do país. O atual é Tuanku Abdul Halim Muadzam Shah e ele não exerce poder político.

Resultado de imagem

11. Japão

A dinastia Yamato, que teve sua origem nos anos 660, é a dinastia hereditária mais antiga a ocupar um posto como monarca em seu país. O atual imperador é Akihito, no poder desde 1989. De acordo com a lenda, ele é o 125º imperador de sua descendência.

Resultado de imagem

Aposto que você não sabia que tantas famílias reais ainda estavam espalhadas pelo mundo moderno, hein?! Ficou chocado? Quer saber mais sobre alguma delas ou surgiram dúvidas históricas que ficaram difíceis de entender? Manda pra gente e, pois ficaremos felizes em seguir transformando.com.vc!