Há bons e prósperos indícios de que, em breve, as escolas brasileiras abrirão as portas para que as novas tecnologias de informação e comunicação entrem e façam parte da rotina dos professores e alunos nas instituições. Tenho visto alguns passos em direção a essa tão esperada possibilidade que vem ao encontro da expectativa dos alunos em relação à escola.

Parece-me que a preocupação em aproximar os artefatos da tecnologia, bem como a consideração de que os espaços das redes sociais e a produção dos alunos nas plataformas virtuais da internet já vêm tomando um espaço considerável nas reuniões de professores nas semanas pedagógicas nas escolas do Brasil1. Digo isso, pois tenho sido convidado a participar e falar sobre o tema com os professores em inúmeros eventos, visto que tenho pesquisado e trabalhado com a temática das tecnologias na educação. As discussões têm sido calorosas, ricas, pertinentes e bastante otimistas.

Há uma cena do filme Um Sonho Possível, lançado em 2009, que tem me feito pensar no papel do professor da atualidade. Na cena, a mãe adotiva, Leigh Anne, interpretada pela atriz Sandra Bullock, acompanha um treino de futebol de seu filho adotivo, Michael, durante alguns minutos. No início da cena, o treinador se reporta ao time e, principalmente, ao garoto, com gritos e broncas, somados a comentários sarcásticos em relação ao menino ao observar sua fragilidade e sensibilidade em relação aos demais jogadores. A perceber tal postura, a mãe adentra a campo solicitando ao treinador a possibilidade de falar com o filho. Após minutos de conversa, ela retorna dizendo ao treinador que não adianta gritar com ele, pois ele não confia nos homens pela experiência de vida que tem.

Comenta também que seu filho adotivo tirara 9,8 no quesito “instintos protetores” e que a partir disso, ela havia orientado o garoto a participar do jogo ativamente, como se estive cuidando da própria família, naquela conversa pré-treino. Ao perceber a melhora do garoto no jogo de futebol, bem como o desempenho do time no treino, o treinador resolve conversar com a mãe para saber o que ela havia falado a ele para obter tal resultado.

A resposta foi pontual:

– Você precisa conhecer seu time, treinador! Ele tirou 9,8 em instintos protetores.

Esse é o grande desafio do educador de todos os tempos, mas principalmente nos dias atuais, “reconhecer seu time”. Quem são nossos alunos? Por onde circulam? Como e por quais vias interagem? Quais são seus afetos e como se manifestam nas redes? …

O reconhecimento de que os alunos de hoje leem e produzem seus textos dos mais variados gêneros e em diferentes suportes é, senão, o primeiro passo que a escola deva dar para uma necessária e urgente reorganização curricular, estrutural e de práticas educativas. A grande quantidade de produção escrita e compartilhada pelos alunos neste século é o indício para que possamos “reconhecer nosso time”, sabermos com quem estamos lidando e, assim, organizarmos um trabalho diário que possibilite um maior vínculo entre a escola e a vida social dos alunos.

A proibição do uso dos aparelhos celulares, dos fones de ouvido e de outros aparatos tecnológicos em tempos em que as informações, comunicações e interações estão sendo realizadas e veiculadas virtualmente é uma recusa ao movimento cultural e tecnológico produzido pelos próprios alunos. Nada há de indisciplina, tão pouco a negação à autoridade do professor, muito pelo contrário. A relação de autoridade entre professores e alunos se dá exatamente quando se compreende o respeito e a consideração de que a escola deva, a partir de tais observações, “falar a língua dos alunos”, observar seus espaços e produções e entendê-los como motivadoras para que outras tantas produções aconteçam no espaço escolar sob mediação docente.

Saber o que de bom os alunos têm para oferecer e reconhecer suas habilidades, bem como respeitar seus limites é o caminho para se pensar em uma prática pedagógica atual e engajada com a educação integral dos alunos. Uma educação voltada não apenas para o ensino dos conteúdos prescritos no currículo escolar, mas para as inúmeras demandas apresentadas pelos discentes deste século, exige sintonia dos aspectos cognitivos e a formação emocional, afetiva dos alunos.

Nossos alunos, nativos digitais2, necessitam da presença do professor. Necessitam e pedem a cada dia, uma maior aproximação dos professores, que possam ouvi-los, entendê-los, cuidá-los, orientá-los e que façam da escola um lugar que dialogue com suas realidades e que assim considerem a escola como um lugar onde aprendem, gostem de estar e que os façam felizes.

1 Tecnologias para aprender, de Carla Coscarelli (COSCARELLI, C.V. Tecnologias para aprender. 1.ed. – São Paulo. Parábola Editorial, 2016).

2 PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. MCB University Press, 2001. Disponivel em:  http://bit.ly/Marc-Prensky. Acessado em: 17/10/2018.