Você já ouviu falar em danças circulares? Elas são uma prática de origem escocesa, inspirada em movimentos folclóricos e tradicionais conhecidos pelo coreógrafo Bernhard Wosien. Desde seu surgimento, em 1976, até os dias atuais é notável a expansão das danças circulares, que no início da década de 1990 chegaram ao Brasil e se espalharam formando rodas em parques, escolas, universidades, hospitais, órgãos públicos, OSCs e organizações dos mais variados segmentos.

As danças circulares não tem nenhuma ligação com religiões específicas, mas sempre estiveram presentes na história da humanidade, seja em nascimentos, casamentos, plantios, colheitas, chegada das chuvas, primaveras, mortes – e refletiam a necessidade de comunhão, celebração e união entre as pessoas. Afinal, o círculo é uma forma geométrica perfeita. Na sociedade, estar em círculo simboliza fraternidade, igualdade, além de todos poderem estar se olhando, enxergando o próximo. Uma sensação de “estarmos juntos”, de mãos dadas, passando e sentindo a energia do grupo.

As culturas antigas utilizavam a roda para confraternizar, conversar e educar ora praticando rituais ora dançando. E por razões como essa, explorar esse tipo de atividade para a formação e desenvolvimento das habilidades motoras dos seus educandos é uma forma de contribuir, inclusive para além dos exercícios físicos. As danças circulares inspiram também a questão do pertencimento, igualdade e respeito em relação ao próximo, demonstrando que, assim como no círculo, na sociedade estamos todos em posição de igualdade.

Benefícios das danças circulares

Essa prática é eficiente para várias questões de nossas vidas. Por exemplo: contribui para acalmar o estresse, para reduzir panelinhas em sala de aula – pois incentiva que os educandos fiquem em pé de igualdade uns perante os outros, ajuda a reduzir a vergonha de se expressar em público, além de trazer senso de compreensão e respeito nas relações afetivas dos alunos.

Inclusive, as danças circulares colaboram também para o desenvolvimento da consciência e controle dos movimentos corporais, assim como para despertar o interesse e curiosidade a respeito de outros idiomas e culturas, devido à riqueza de expressões que possui por todo o mundo. Por meio dela também é possível ampliar os repertórios gestuais e musicais dos educandos, desenvolver a autoestima e autoconfiança das crianças. Tudo isso acontece a partir de muita diversão e cooperação entre todos.

Dicas de brincadeiras para exercitar a dança circular entre os educandos

Na educação infantil, as danças circulares também podem ser conhecidas como brincadeiras em roda e são vistas não somente como uma forma de trabalhar o corpo, mas também como alternativa para melhorar a interação social entre os pequenos. Além de ajudar a trabalhar a oralidade, promover integração, até mesmo das crianças mais tímidas, além da coletividade e senso rítmico.

Em sala de aula, uma boa sugestão é trabalhar as danças circulares por meio das clássicas cantigas de roda. Essa ideia é legal, pois além de aplicar na prática os conceitos desse estilo de dança, resgata também parte da cultura e tradições locais, que são importantes para a formação cultural dos jovens. Nesse artigo vamos sugerir atividades por meio das cantigas, no entanto, músicas meditativas e que trazem calma para o ambiente também são opções bastante eficazes para a aplicação das danças circulares.

Conheça algumas cantigas de roda, que são expressões das danças circulares, e podem ser inseridas no dia a dia dos seus educandos para desenvolver as habilidades motoras:

A canoa virou

https://www.youtube.com/watch?v=x7zqBPD1_V0

As crianças devem ser colocadas de mãos dadas, em posições intercaladas, de modo que uma fique de frente para o centro da roda e outra de costas. Ao longo da música elas são convidadas a ir se virando para o centro. Termina a brincadeira quando todos estiveram voltados para dentro da roda.

“A canoa virou.

Por deixá-la virar,

foi por causa do (nome de um coleguinha)

Que não soube remar.

Se eu fosse um peixinho

e soubesse nadar,

tirava o (repete o nome do coleguinha)

do fundo do mar.”

Nessa brincadeira, os educandos precisam treinar sua atenção para não repetirem nomes que já foram falados e atentarem para quando ouvirem o seu próprio nome lembrarem-se de se virar também.

Terezinha de Jesus

https://www.youtube.com/watch?v=BOE1wrrpJ_I

Para começar, todos formam uma grande roda, enquanto uma das crianças é escolhida para ficar no centro. Quando terminar a letra da música, ela vai escolher quem vai substituí-la no meio da roda. Os educandos que estiverem formando o círculo devem cantar enquanto giram, inicialmente, em sentido horário. Conforme houver a troca de pessoa no centro da roda, deve-se trocar também o sentido para o qual girar.

“Terezinha de Jesus,

De uma queda,

Foi ao chão.

Acudiram três cavalheiros,

Todos os três de chapéu na mão.

O primeiro, foi seu pai,

O segundo, seu irmão,

O terceiro, foi aquele

Que a Tereza deu a mão.”

Ciranda, cirandinha

https://www.youtube.com/watch?v=G2Oub_dq7vc

Uma das cantigas que mais representam o espírito das brincadeiras de roda, a Ciranda, cirandinha é um verdadeiro clássico. No passado ela já encantou muitas crianças, e ainda hoje, é capaz de exercer bastante influência em algo tão tradicional.

Posicionados em roda, eles vão começar a entoar a letra abaixo. Na última estrofe devem escolher um coleguinha para entrar na roda. A brincadeira segue até que todos os participantes estejam no meio. Ah, e conforme houver mais educandos no centro do que para fechar o círculo, os alunos que estiverem para fora devem seguir cantando e caminhando em torno dos demais no sentido horário, enquanto que quem estiver dentro da roda irá formando outro círculo que girará no sentido anti-horário.

“Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar!

Vamos dar a meia volta

Volta e meia vamos dar

O anel que tu me destes

Era vidro e se quebrou

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou

Por isso, dona (nome de um dos alunos)

Entre dentro desta roda

Diga um verso bem bonito

Diga adeus e vá se embora.”

Carneirinho, carneirão

https://www.youtube.com/watch?v=RRAvqLl7NeY

Para brincar de Carneirinho, carneirão as crianças precisam somente de juntar as mãos e, enquanto cantam, ir obedecendo os comandos da música.

“Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,

Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão, pro chão,

Manda o rei, nosso senhor, senhor, senhor,

Para todos se ajoelhar.

Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,

Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão, pro chão,

Manda o rei, nosso senhor, senhor, senhor,

Para todos se levantar.”

A barata diz que tem

Esta é bastante simples de ser executada, mas fará muito sucesso. De mãos dadas, todos devem cantar:

A Barata diz que tem sete saias de filó

É mentira da barata, ela tem é uma só

Ah ra ra, iá ro ró, ela tem é uma só!

A Barata diz que tem um sapato de veludo

É mentira da barata, o pé dela é peludo

Ah ra ra, Iu ru ru, o pé dela é peludo!

A Barata diz que tem uma cama de marfim

É mentira da barata, ela tem é de capim

Ah ra ra, rim rim rim, ela tem é de capim

A Barata diz que tem um anel de formatura

É mentira da barata, ela tem é casca dura

Ah ra ra , iu ru ru, ela tem é casca dura

A barata diz que vai viajar de avião

É mentira da barata ela vai de caminhão

Ah ra ra , iu ru ru, ela vai de caminhão


Para tornar a atividade ainda mais dinâmica, peça que os educandos soltem as mãos e segurem as barrigas para simular uma gargalhada durante todos os trechos “Ah ra ra , iu ru ru”. Além de, é claro, inverter o sentido da rotação a cada início de novo verso da cantiga.

Inclua a dança circular no preparo das suas aulas

Gostou dessas dicas transformadoras para praticar o desenvolvimento das habilidades motoras e de concentração dos educandos? Certamente essas dicas contribuirão muito com a diversão e aprendizagem no seu dia a dia em sala de aula, mas, não para por aí, a gente também tem a indicação de outro artigo que aborda cantigas infantis que podem ser exploradas a partir de dinâmicas e práticas que estimulem também a coordenação motora dos educandos. Acesse e inspire-se: Cantigas de roda para crianças da educação infantil.

psicomotricidade-relacional
Previous article Psicomotricidade relacional na educação
metodologias ativas
Next article Você sabe como metodologias ativas contribuem com a aprendizagem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close