As crianças têm como uma das principais características ser criativas, mas o medo de errar pode limitar o uso da criatividade natural do ser humano, fator que é capaz de comprometer o seu desenvolvimento. Por isso, exercitar a criatividade na escola é uma excelente maneira de permitir que as crianças soltem a imaginação e explorem suas habilidades.

Para abordar o assunto, conversamos com Arieta Arruda, uma empreendedora e intraempreendedora criativa, que nos passou algumas dicas para ajudar as crianças a ativar a criatividade na escola. Confira:

Como não deixar o medo atrapalhar a criatividade

De modo geral, pessoas criativas são corajosas e curiosas, de “mente aberta” e que conseguem fazer um bom uso da imaginação. Isso permite que desenvolvam a capacidade de observar o mundo e de aprender com o que veem e com as experiências que vivenciam. Apaixonadas, motivadas e persuasivas, elas estão definitivamente inclinadas à mudança e inovação.

Mas, e quando o medo não deixa as crianças exercitarem sua criatividade com liberdade? A empreendedora criativa Arieta Arruda explica que “a criatividade se alimenta dentro de nós com base em nossa inteligência emocional, nossas crenças saudáveis ou limitantes, da nossa autoestima, da conexão com a nossa dimensão espiritual, e também das referências que temos de casa, da escola e dos conteúdos que as crianças consomem (celular, TV, livros, etc.)”.

A especialista também esclarece que um dos fatores que pode ajudar a criança a continuar confiando em seu potencial é receber apoio de uma figura que ela tem como referência, principalmente depois de cometer algum “erro”. “Outra maneira de dar ‘força’ à criança nesse momento é ensiná-la a lidar com a frustração, com o medo e a culpa. Sentimentos mais comuns quando acontece algo que não sai como gostaríamos. Isso vale não só para a criatividade, mas também para a inteligência emocional dessa criança ou jovem”.

O erro é aprendizado

Thomas Edison  foi um dos maiores inventores criativos que já existiu. Certa vez, durante uma entrevista sobre a insistência de trabalhar num projeto que, aparentemente, estava apresentando erros milhares de vezes, ele disse: “Não sei por que você acha que foi um fracasso. Hoje, conheço 25 mil maneiras de como não fazer uma bateria. E você, o que sabe?”.

“Ou seja, o erro pode ser uma grande oportunidade de aprendizado e uma maneira de adquirir uma nova bagagem cultural, apesar de a nossa sociedade ainda não apoiar tanto esse olhar sobre as situações que não ocorrem como planejamos. Mas é preciso insistir nesse ensinamento para promover o crescimento de crianças mais saudáveis e mais criativas”, aconselha a empreendedora.

Sendo assim, o professor pode ajudar as crianças a exercitarem a criatividade na escola de várias maneiras, inclusive usando o erro. Alguns exemplos:

“A criatividade na abordagem acadêmica, por exemplo, é a imaginação (criar imagens mentais) aplicada à ação para resolver um problema. Ou seja, a criatividade precisa ter uma ação e um resultado. Colher esse resultado é que muitas vezes frustra. Mas enfrentar isso tudo é enriquecedor para as crianças porque, quando crescerem, terão mais habilidade em lidar com situações adversas”, analisa.

Como incentivar as crianças a pensarem em soluções criativas e a usarem a imaginação?

Ser criativa significa reunir informações de uma forma diferente, gerando novas soluções. Mas, como estimular as crianças a pensarem de forma criativa? Arruda explica que a melhor maneira é oferecer experiências em que essas crianças possam encontrar um jeito diferente de fazer a mesma coisa.

“Mostrar os prós e contras, observar e trocar ideias sobre os aprendizados, desenvolvendo nessas crianças a autonomia, a autoconfiança e autoaceitação. Além disso, aprender a trabalhar em equipe é muito importante para aceitar o que é diferente, algo que ajuda muito na criatividade”, afirma.

Dicas de atividades que incentivem a criatividade

Segundo Arruda, as crianças não precisam ser incentivadas a praticar a criatividade de forma tão teórica, porque isso é inato de qualquer criança. “Acredito que precisamos, como pais, responsáveis e educadores, tentar criar um ambiente em que a gente ‘atrapalhe’ o mínimo possível esse potencial”. Para isso, a empreendedora criativa listou algumas dicas de como criar uma atmosfera para ajudar as crianças a exercitarem a criatividade. Veja:

  • Diminuir a projeção das nossas frustrações, das nossas crenças limitantes ou dos bloqueios sobre as crianças.
  • Ouvir o que as crianças têm a dizer com atenção plena, acolhendo os sentimentos de culpa, medo e frustração. Demonstrar que confia no mundo imaginário delas.
  • Encorajá-las a colocar as suas ideias no mundo e a observar os resultados.
  • Criar atividades de artes manuais, que envolvem música, brincadeiras que gerem fluência de novas ideias, de autonomia e que mostrem como lidar com sentimentos.
  • Estimular jogos que não sejam tão prontos, mas que exercitem a imaginação e a troca de aprendizados.

“Se puder, proporcione uma educação construtivista, com viagens e novas paisagens, para que a criança desperte a curiosidade pelo mundo e pelo novo, mas também, que adquira a confiança de que, para cada problema, há uma ou muitas soluções”, afirma a empreendedora.

Como evitar que as próprias crianças limitem os colegas?

Outro problema frequente nas escolas é quando os próprios alunos limitam a criatividade de outros colegas, seja com intimidação, deboche ou mesmo com a prática de bullying.

Para que isso não ocorra, Arieta explica que, primeiramente, é preciso entender que os pequenos reproduzem o discurso e as ações do ambiente familiar. Portanto, é necessário observar a forma como eles são tratados em casa, atuando para transformar o lar em um espaço emocionalmente saudável e que promova a autonomia. E, no caso dos educadores, é preciso ter o foco no aprendizado e não no erro.

“Acredito que um ponto fundamental seja entender que não é possível colocar nossas crianças em ‘redomas’ para privá-las de experiências que machucam, mas sim, que o importante é o quanto somos capazes de ajudá-las a sentir que são capazes de ressignificar a situação. Viver a experiência por inteiro vai gerar ‘tesouros’ dentro da gente para ter criatividade a vida toda”, finaliza.

Quer um lugar melhor para exercitar a criatividade na escola que as aulas de artes? Veja aqui 10 razões porque essa matéria é fundamental para o desenvolvimento dos alunos.

Previous article Escola em Portugal: como funciona o sistema de ensino no país
Next article Wise Awards 2021: confira os premiados e se inspire nos projetos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close