Com a paralisação das aulas, educadores e educadoras precisaram lidar com adaptações na forma de ensinar. Esse novo cenário no processo de aprendizagem fez com que repensássemos hábitos e formas de ensino dentro das possibilidades do momento. Pensando nisso, preparamos uma série de lives com convidados e convidadas especiais, com objetivo de discutir e inspirar as pessoas sobre temáticas importantes e necessárias. 

Elencamos neste artigo todas as lives que já realizamos, junto a um breve resumo sobre o que aconteceu em cada uma. Temos a certeza que todos esses conteúdos podem fazer a diferença no seu dia a dia. Olha só: 

Educação em tempos difíceis: desaprender para reaprender 

No bate-papo com o Jean Sigel, da Escola da Criatividade, inspirar ideias e novas formas de aprendizado foi o assunto principal. Todos nós, independentemente da idade, somos criativos, pensantes e aprendizes.

 “Se reinventar é desenvolver suas habilidades pela simplicidade e incorporar a criatividade pelas relações de afeto humano.” 

A educação ao longo dos anos se distanciou do seu propósito humanitário e focou somente no treinamento. Esse acontecimento faz com que a preocupação de profissionais seja principalmente em ser produtivo, deixando de lado a criatividade. Para reverter esse cenário, Jean trouxe algumas provocações, como procurar escutar mais, despertar talentos que estão guardados e voltarmos a ser aprendizes. 

E dentro dessa reflexão, Jean também abordou como temática o ponto: como podemos contar histórias e dar ouvido para as ideias das crianças? 

Aprender foi, por muito tempo, uma ação autoritária e isso faz com que o conteúdo seja absorvido somente para o momento. Se queremos que lições sejam para vida, é necessário gerar um ambiente de confiança, talentos e oportunidades para que possamos praticar novos conhecimentos ao lado dos nossos alunos, vamos abrir novas janelas. Manter crianças motivadas ao aprendizado é prioridade. 

Confira a live na íntegra e inspire-se com suas ideias acessando: 

Desafios e oportunidades na educação

Vivenciar a quarentena é certamente desafiador, mas que tal ressignificar este momento como uma oportunidade? No bate-papo com o professor Marcos Meier, percebemos que ensinar se torna mais complexo quando alunos estão separados por uma tela de computador, de forma impositiva. No entanto, pais e professores podem contribuir para práticas positivas e despertar o interesse dos alunos por meio de atividades que utilizem:

  • Movimento
  • Concentração 
  • Atenção

Independentemente de como você irá escolher trabalhar novas descobertas, lembre-se que crianças precisam de estímulos para despertar seu protagonismo. As escolas como as conhecíamos antes da quarentena não vão ser as mesmas, a tendência é que o processo continue invertido, ou seja, alunos aprendem em casa e praticam na aula. E esse modelo faz com que se tornem pessoas que sabem conversar, observar e argumentar. Nosso papel é estar junto auxiliando no desenvolvimento dessa autonomia e contribuindo para que olhem toda essa situação como uma chance de fazer diferente. 

Acesse a live na íntegra e aprenda um pouquinho mais sobre como ressignificar esse momento:

Tecnologia a serviço da educação pelo conto da Polegarzinha 

Você sabe qual a relação entre escola, comunidade, educação e tecnologia? Juntas podem nos ajudar a experimentar novas realidades para aprender e ensinar. No bate-papo com os educadores Silvio e Érika, as versões do conto Polegarzinha, dos livros de Hans Christian Andersen e Michel Serres, abrem espaço para observarmos a tecnologia agindo como aliada da educação.

Tecnologia é plural e não se resume ao digital, ela abrange um conjunto enorme de processos e objetos que nos oferecem possibilidades e nos conectam pelos saberes. Só que para isso acontecer, é preciso do diálogo com a comunidade para que esse despertar da imaginação das crianças pela tecnologia que está nos livros, brincadeiras, corpo, escrita e muitos outros, conforme os professores Silvio e Érika apresentam, possa acontecer. Que tal começar assistindo a live e aprendendo novas oportunidades de trabalhar a educação com a tecnologia, a partir da história da Polegarzinha? Histórias podem ser contadas de maneiras mais ilustrativas, por isso, utilize: 

  • Sons para ilustrar a contação da história 
  • Suporte do corpo para instigar a imaginação 
  • Corpo, voz e gestos a fim de auxiliar na construção dos personagens 
  • Interação 

Além das histórias, muitas outras tecnologias podem ser exploradas com criatividade. Confira mais da live na íntegra: 

Tecnologias educacionais: ferramentas para educar a distância

Novas formas de ensinar e aprender. De um dia para o outro, foi preciso sair das salas e aplicar conteúdos totalmente diferentes e adaptados. Por isso, pensando na educação online, a professora Franciele Oliveira trouxe alguns recursos para auxiliar você, assim como seus educandos e educandas. 

Novas possibilidades por plataformas onlines devem ser exploradas para  tornar o ensino leve e didático. A professora Fran abordou na live alguns aliados nesse momento e basta um pouco de conhecimento para que eles façam a diferença nos estudos das crianças. É hora de apostar em: 

  • Jogos online
  • Questionários
  • Vídeos educativos 
  • Atividades que possam baixar
  • Leituras 
  • Quebra-cabeça, caça-palavras e palavras cruzadas 

“É um momento de ter paciência e repensar a prioridade dos alunos e fazer o melhor que podemos pensando no melhor para os alunos para termos o melhor da educação, precisamos colocar o aluno como prioridade.” (Franciele Oliveira)

Confira mais iniciativas online na live da professora Franciele! 

Que mundo será este? 

Refletir sobre a crise da educação atual é também questionar sobre o que será depois. É preciso mudar? Na live sobre educação com o professor e filósofo Cássio Marcelo, nós descobrimos o motivo dessa necessidade. Nossa sociedade é descompassada e isso faz com que alguns processos e práticas do dia a dia pareçam saturados. Se estamos indiferentes, mudar não é uma realidade, precisamos nos tornar pessoas dispostas a construir e reconstruir nossas possibilidades de aprendizagem e relações sociais. 

“É preciso se despir de alguns preconceitos e olhar o mundo com novos óculos.” (Cássio Marcelo) 

Pensar na escola como um espaço de referência para transformações é levar educadores e educadoras a se prepararem para fazer a diferença na vida dos alunos. Segundo o professor, as crianças são envolvidas pelo afeto e é por isso que em primeiro lugar a construção deve ser baseada no lado humano. Precisamos restabelecer o vínculo que fortalece professores e alunos.

Confira a live do filósofo e consultor educacional Cássio:

Educação e esperança: o que sobra depois pandemia? 

Nesse mesmo contexto de pós-pandemia, podemos afirmar que a esperança é um sentimento coletivo, que faz parte do imaginário dos educadores e educadoras e vem da  vontade de construir melhorias. São as fragilidades do momento que geram inseguranças tanto nos professores quanto nos alunos, mas é a partir disso que cenários positivos se formam para o futuro. O professor Matheus Cedric Godinho, mostra pelos seus conhecimentos que num eventual cenário posterior, a realidade é de uma crise multidisciplinar que marca, inclusive, uma geração. Temos que repensar modelos educacionais a partir da experiência humana e não apenas da fala

Se soubermos aprender com essa vivência, voltaremos para uma escola mais valorizada, que reconheça a efetividade da educação e a importância da relação entre pais, filhos e professores. Os impactos da pandemia mostram a importância da construção social e da educação como espaço de existência. 

“Não somos meros instrutores. O Google instrui muito bem para aqueles que sabem buscar, mas ele não educa. A educação precisa de um professor. E a gente precisa se apropriar desse espaço e fazer valer a nossa voz nesse contexto, para o bem dos nossos estudantes e pelo bem do nosso Brasil.” (Matheus Cedric Godinho)

Ainda há como ter esperança nesse momento. Se inspire com o professor Matheus em sua live:

A escola para onde voltaremos

Quando voltarmos para a escola, é certo que ela não será a mesma. O professor Júlio Furtado apresentou no seu bate-papo online que muitas serão as mudanças administrativas, institucionais e de planejamento que serão adotadas. Uma certeza que temos é que voltando ao presencial, a instituição escolar não irá dar conta sozinha deste novo momento, será preciso força e ações do coletivo. Além disso, a volta será gradual e vamos passar para uma era que irá variar entre ensino remoto e presencial.  

“A gente vai precisar fazer uma coisa chamada gestão do acolhimento, esse retorno às aulas presenciais não pode ser um retorno simplesmente ao currículo, ele vai precisar ser um retorno ao reencontro, nós não somos os mesmo.” (Júlio Furtado)

Voltar às aulas ainda não é uma questão de data, mas de planejamento. Precisamos traçar cenários possíveis e começar a criar desde já hábitos para sermos assertivos nesse retorno. Escolas vão precisar estar preparadas para estabelecer protocolos para garantir a segurança por meio de: 

  • Marcações no chão  
  • Higienização de tempo em tempo 
  • Estoque de máscaras 
  • Disponibilização do álcool gel 
  • Ritual de higienização na chegada de cada aluno 
  • Fiscalização de máscaras 
  • Medição de temperatura

Conseguiremos fazer a diferença com alguns hábitos que já podem ser treinados para o futuro. O professor Júlio conta mais sobre eles, confira sua live: 

Habilidades emocionais em contexto de pandemia 

Ainda que a preocupação esteja focando principalmente no aprendizado, devemos olhar também para a nossa qualidade de vida. Habilidades emocionais são essenciais para que consigamos enfrentar a situação de maneira mais prazerosa. O primeiro passo para garantir relações saudáveis é cuidar do nosso próprio interior. Compreender nossos sentimentos e passar a utilizá-los a favor de nós mesmos são habilidades que podem ser aprendidas para uma vida mais valorosa. Que tal aprender? Na live sobre educação da psicóloga Raiana Bonatti você aprenderá a visualizar novas formas de passar por diversas situações. 

Nossa missão é transformar esse momento com você!

Que tal conferir um pouquinho mais do conhecimento da psicóloga Raissa? Confira a live:

E vem mais lives sobre educação por aí!

“Ensinar não é transmitir conhecimento. Para que o ato de ensinar se constitua como tal, é preciso que o ato de aprender seja precedido do ato de ensinar.” (Paulo Freire)

As lives sobre educação do Transformando continuarão acontecendo e ainda teremos muitos convidados e convidadas especiais para tratar de temas valiosos para nosso dia a dia. Por isso, queremos saber de você: quais temas você gostaria de ver em nossos próximos bate-papos online? Conta para a gente e contribua para a transformação que queremos para a educação! <3 

 

Previous article Racismo e educação infantil: entenda como abordar
Next article God save the king: conheça Sir Ken Robinson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close