O aluno no século XXI faz parte da geração Z e Alpha. E por estar em grupos movidos pela tecnologia e que naturalmente já são mais independentes, o comportamento dessas crianças também está mudando. São pessoas mais críticas, questionadoras, que buscam ser protagonistas das suas histórias e não se contentam com o sistema educacional tradicional. 

O ensino para esses alunos é baseado na troca de experiências e inovação. Não há como oferecer conhecimento sem aliar com recursos tecnológicos que muitas vezes já fazem parte do dia a dia dessas crianças. Ao mesmo tempo, elas também necessitam do diálogo, do espaço para contribuírem com o conhecimento e não serem apenas ouvintes passivos. 

Os educandos querem ser ativos na informação e protagonistas das próprias histórias. Se antes apenas liam conteúdos e respondiam de forma individual questões, hoje desejam poder buscar referências na internet e em livros, e construir ao lado dos colegas soluções para os problemas levantados. Para isso, é essencial que o aluno no século XXI, tenha algumas competências específicas, olha só: 

Comunicação 

Por natureza já somos comunicadores. Mas na era da informação, é essencial que alunos no século XXI saibam o valor de se comunicar com clareza e expor suas ideias de forma a criar um aprendizado compartilhado. Esse processo começa na infância, quando desde cedo são incentivados a interpretar textos e falas. 

A habilidade da comunicação também necessita da fala e escuta ativa para que crianças aprendam com o pensar do outro. Além disso, quando incentivamos essa comunicação clara entre professor e aluno, ou entre os próprios colegas de classe, estamos exercitando a construção do pensamento crítico. 

Protagonismo 

A geração alpha já nasce com mais independência. E isso influencia na vontade de contarem suas próprias histórias, serem protagonistas do conhecimento. O século XXI pede isso, educandos que procurem o novo e estejam dispostos a fazer parte ativamente da construção do aprendizado. 

Alunos protagonistas: 

  • Criam mais responsabilidade e autonomia 
  • Participam de todo processo do conhecimento 
  • Se tornam fonte de conteúdo 
  • Valorizam mais o saber 
  • Procuram o dinamismo e novas oportunidades 

Habilidades socioemocionais 

Com o tempo, a educação está deixando de apenas preparar alunos para o vestibular mercado de trabalho e entender sua humanidade. Essa mudança também influencia nos novos conhecimentos  valorizados, por exemplo, os sociais e emocionais. As habilidades socioemocionais estão entre as competências do aluno no século XXI porque dizem respeito a um conhecimento que influencia diretamente na maneira com que lidam e reagem a diferentes contextos. 

Uma criança que cresce sabendo identificar e lidar com suas emoções, é mais provável que saiba compreender melhor situações que vivencia. E em uma realidade que há muitos acontecimentos durante um curto espaço de tempo, ter habilidades socioemocionais é essencial na vida pessoal e no aprendizado. 

Para preparar seu aluno melhor com competências socioemocionais, recomendamos  o podcast playkids sobre esse tema!

Inovação e tecnologia  As gerações Z e Alpha já nascem por dentro de toda inovação e tecnologia. A inserção da tecnologia também no ambiente escolar, pede que cada vez mais estejam ligados na atualidade e conseguindo unir novas ferramentas ao ensino. Adicionalmente, é importante que reconheçam as potências das tecnologias e compreendam as ferramentas que possuem em mãos. 

É estimulando o interesse e conhecimento que fazemos com que as crianças entendam como podem unir a inovação ao seu processo de aprendizado. Alunos no século XXI querem fazer parte de uma sala de aula feita pela troca, que misture conteúdos previstos na base curricular e outros de fora, mas que despertem o interesse dessas crianças, como vídeos e jogos.  

Coletividade 

Vivemos um momento em que nada mais se faz sozinho, e ainda que nossas crianças já tenham essa vontade de fazer algo pelo próximo e lutar pelo que acreditam, é preciso que incentivem a coletividade. No século XXI, a colaboração é essencial para que as pessoas possam se desenvolver pessoalmente e profissionalmente, e na educação não seria diferente. 

Um conhecimento que se constrói em grupo acaba sendo mais representativo pela diversidade de opiniões e referências. Viver é um ato social e devemos mostrar às crianças desde pequenos que uma boa convivência também é feita quando nos preocupamos em entender o outro, e assumimos nossas responsabilidades como parte de um coletivo. 

A coletividade é algo natural do ser humano. Desde bebês o se preocupar com o outro e buscar fazer parte de um ciclo de convivência é comum. Na educação basta que isso seja estimulado para que o senso de comunidade também continue sendo aplicado. 

Leia também dicas para realizar trabalhos em grupo. 

Qual a relação entre o aluno no século XXI com seus professores? 

As competências do aluno no século XXI mostra que a aprendizagem agora é mútua para educadores e educandos. Uma boa relação entre as duas partes tem como base os 4Cs estabelecidos pela National Education Association (NEA): comunicação, colaboração, criatividade e pensamento crítico. 

Alunos se tornaram parte da construção do conhecimento e educadores são mediadores nesse processo. É necessário que os dois trabalhem juntos e sejam protagonistas das suas próprias histórias, tragam experiências e conhecimentos variados para dentro da sala de aula. 

A relação entre aluno e professores no século XXI é aquela que coloca os dois como centro de toda decisão e une o ensino tradicional e tecnológico na aprendizagem. Para isso é preciso de alunos que tenham uma comunicação assertiva e integrativa, o protagonismo no aprendizado, habilidades socioemocionais durante o conhecimento, e a inovação e senso de coletividade nas tarefas. 

É preciso olhar alunos como ser humanos 

Crianças são movidas por estímulos. No século XXI, da educação 4.0, trabalhar conhecimentos além dos cognitivos leva vida para as salas de aula. Desde quando nascem estão acostumadas com a tecnologia, então, não há como querer  proporcionar um aprendizado baseado somente na escrita em lousa. 

Como forma de contribuir com o seu entendimento do perfil dessas crianças, deixamos aqui o TEDx da professora Débora Garofalo.

O que você como educador tem feito para olhar com mais humanidade seus educandos? A empatia gera o envolvimento e troca do conhecimento de forma enriquecedora tanto para educadores quanto alunos.

Previous article Quais as competências do professor no século XXI?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close